Histórico
 19/08/2007 a 25/08/2007
 03/12/2006 a 09/12/2006
 14/05/2006 a 20/05/2006
 26/03/2006 a 01/04/2006
 19/03/2006 a 25/03/2006
 12/02/2006 a 18/02/2006
 02/10/2005 a 08/10/2005
 04/09/2005 a 10/09/2005
 28/08/2005 a 03/09/2005
 31/07/2005 a 06/08/2005
 01/05/2005 a 07/05/2005
 30/01/2005 a 05/02/2005
 02/01/2005 a 08/01/2005


Votação
 Dê uma nota para meu blog


Outros sites
 Portal de Sampa
 Sampa Bus
 ÔNIBUS SP


 
 
Blog de Sampa


Ônibus: problema sem fim

Novo secretário de Transportes, Alexandre de Moraes, anuncia readequação de linhas, que servem a periferia

Para tirar do sufoco quem depende de ônibus e microônibus na Capital, o novo secretário municipal de Transportes, Alexandre de Moraes, promete começar as mudanças pelos extremos. As alterações anunciadas ontem prevêem a 'readequação das linhas' que atendem a periferia. A área selecionada para iniciar o processo é a campeã de reclamações: a Zona Sul, de onde vem 11% das 4.900 queixas mensais recebidas pela São Paulo Transporte (SPtrans).

'A questão mais importante é uma readequação das linhas de ônibus. Os técnicos já avaliaram que não é necessário ampliar o sistema viário ou o número de quilômetros rodados pelo transporte público', afirmou Moraes.

O novo projeto não é tão inédito. A proposta é fazer com que as cooperativas (vans e lotações) atendam os percursos feitos em um mesmo bairro, em trajetos mais curtos. Já os ônibus maiores serviriam para ligar áreas diferentes, dos terminais até o Centro, mudanças já anunciados na gestão Marta Suplicy e por Frederico Bussinger, antecessor de Moraes na gestão de Gilberto Kassab.

Segundo Moraes, as divisões de itinerários não se concretizaram de forma total porque muitos 'adendos na legislação foram assinados' pelos empresários.'São aditivos que foram temporários, previstos para a readequação (das empresas) às mudanças. O prazo (para a adequação) venceu, o que vai permitir a reestruturação.'

O vice-presidente do Sindilotação, Senival de Moura, acha que a reestruturação das linhas da periferia não deve ser prioritária. 'Já passamos por uma readequação há dois anos e não acredito que hoje haja uma sobreposição das linhas. Mas queremos ser chamados para ouvir as propostas.'

'Desde que a secretaria garanta a sobrevivência das cooperativas com as mudanças, nós seremos parceiros do poder público', afirmou Luiz Carlos Pacheco (o Pandora), responsável pela Cooper Pan, a maior empresa de lotações da Zona Sul. 'Mas nós precisamos participar das mudanças, até para opinar sobre o que precisa ser feito.'

Segundo a SPtrans, a principal reivindicação dos moradores da Zona Sul é o grande intervalo entre os ônibus. Na manhã de ontem, a reportagem foi até a região apontada como a mais problemática e constatou o inferno diário de quem depende de ônibus e microônibus para se locomover. As longas filas precedem a dificuldade em garimpar um assento ou até mesmo em achar um lugar para se segurar. Dentro do Terminal Vargem Grande, cerca de 80 pessoas esperavam o ônibus para Santo Amaro, o mais cheio. Quem se dispunha a viajar em pé saía mais rápido: até 15 minutos. Os que queriam um assento precisavam aguardar mais tempo. 'Leva uns 50 minutos. Tem de esperar uns 5 ou 6 ônibus', disse a metalúrgica Ivanilda Serra de Souza, 38 anos.

Na Avenida Guarapiranga, o frio de 12 graus deixava a espera ainda mais difícil. Os usuários das linhas para Jabaquara, Ana Rosa, Pinheiros, Santa Cruz e Centro reclamam da demora nos pontos. Às 5h, a Parada Francisco Xavier já estava cheia.'Pego o Jabaquara, que vem sempre muito cheio. Às vezes fico até meia hora esperando, mas o ônibus passa lotado e não consigo pegar', conta a porteira Joana Alves, 49 anos.

EM NÚMEROS

>15 mil é total da frota de ônibus e micro ônibus

>5,5 milhões de passageiros utilizam esse tipo de transporte todos os dias
na Capital 800 mil pessoas utilizam as linhas da Cooper Pan

>180 mil usuários passam pelo Terminal Varginha, na Zona Sul da Cidade, diariamente



Escrito por Eduardo às 10h54
[ ] [ envie esta mensagem ]



Avenida Paulista: 115 anos

Paulista: 115 anos com a elite econômica do país
Aniversário do cartão postal da cidade não terá comemorações

Nesta sexta-feira, dia 8 de dezembro, a avenida Paulista completa mais um aniversário. São 115 anos, todos eles acolhendo a elite econômica e financeira do país. Inaugurada pelo urbanista uruguaio Joaquim Eugênio de Lima em 1891, a avenida passou por diversas transformações em seu perfil arqutetônico e pouco lembra aquela via residencial do século 19. Este ano a prefeitura não preparou nenhuma comemoração.

Os primeiros imóveis da Paulista foram os casarões que serviram de moradia para os barões do café e para a burguesia industrial nascente na cidade. A partir da década de 30 sua paisagem começou a mudar e a avenida verticalizou-se. Hoje, não é exagero dizer que em seus arranha-céus está o centro financeiro do país.

Em 1990, foi realizada uma eleição para a escolha do símbolo de São Paulo. O resultado não poderia ser outro: Paulista na cabeça. Em seus 2,8 quilômetros estão alguns dos pontos turísticos mais conhecidos da cidade.

É ela que abriga o Museu de Arte de São Paulo (Masp). Projetado pela arquiteta Lina Bo Bardi, o museu é tão famoso por seu vão livre de 74 metros, como por seu acervo - que inclui obras de Van Gogh, Monet e Cézanne.

Bem em frente Masp está o Parque Tenente Siqueira Campos. Conhecido como Parque Trianon, a área é um pedaço de mata atlântica em meio ao caos urbano que ainda conserva espécies nativas de flora e de fauna.

No começo da Paulista fica a Casa das Rosas. Um imenso casarão projetado pelo arquiteto Ramos de Azevedo em 1928 e que hoje abriga uma biblioteca, uma sala de leitura e um amplo espaço para exposições. Ali perto também localiza-se o Hospital e Maternidade Santa Catarina. Construído em 1909, ele foi o primeiro hospital particular da cidade.

A Paulista é um universo de atrações. Além das já citadas, vale conhecer as exposições e shows do Instituto Itaú Cultural e do Centro Cultural Fiesp, a decoração natalina dos bancos Real e Personalité, os cinemas da avenida, que fogem ao estilo dos multiplex dos shoppings, ou simplesmente dar uma caminhada pelo cartão postal da maior cidade do país.

Fonte: Grupo Viagem



Escrito por Eduardo às 13h46
[ ] [ envie esta mensagem ]



São Paulo virando Bagdá

Criminosos queimam 68 ônibus e deixam quase 3 milhões sem transporte em SP

Cerca de 2,9 milhões de pessoas foram prejudicadas nesta segunda-feira pela paralisação de empresas de ônibus em São Paulo, em meio a uma onda de ataques atribuídos ao PCC (Primeiro Comando da Capital). Somente na capital, 47 veículos foram queimados entre a noite de domingo (14) e a manhã desta segunda-feira.

Também foram registrados ataques a ônibus em outras cidades. De acordo com registros da EMTU (Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos), 14 veículos foram atacados na região metropolitana, seis na Baixada Santista e outro em Campinas.

Segundo levantamento da SPTrans (empresa que administra o transporte coletivo na capital), dez empresas paralisaram as atividades na cidade --três delas parcialmente-- e nove terminais fecharam. Pontos de ônibus ficaram lotados, e muitos passageiros chegaram atrasados ao trabalho.

Com medo de novos ataques, pararam as empresas Vip, Tupi, Paratodos, Transcuba, Cidade Dutra, Campo Belo, Gatusa, Cooperauhton e Cooperpan --a paralisação foi parcial nas duas últimas. todas na zona sul. Na zona norte, a Sambaíba também parou as atividades, mas alguns ônibus voltaram a circular.

Os terminais fechados são: Bandeira, Capelinha, Santo Amaro, Guarapiranga, João Dias, Jardim Angela, Varginha, Parelheiros e Grajaú.

A prefeitura suspendeu o rodízio de veículos na nesta segunda-feira. Com isso, veículos com placas finais 1 e 2 podem circular normalmente pelo chamado centro expandido da cidade durante o horário de pico --das 7h às 10h e das das 17h às 20h.

Ataques

As ações são atribuídas ao PCC (Primeiro Comando da Capital) em resposta à decisão do governo estadual de isolar líderes da facção criminosa.

Desde a noite de sexta (12), criminosos atacam a força de segurança em diferentes pontos do Estado. Agências bancárias também foram queimadas.

Escrito por Eduardo às 15h54
[ ] [ envie esta mensagem ]



Gilberto Kassab é o novo prefeito de São Paulo

Gilberto Kassab é o novo prefeito de São Paulo

Conheça o currículo do novo Prefeito de São Paulo.

O engenheiro Gilberto Kassab assumiu nesta sexta-feira (31/03/2006) a Prefeitura de São Paulo. Nascido no bairro de Pinheiros, na zona Oeste de São Paulo, em 12 de agosto de 1960, Kassab é o quinto dos sete filhos do médico Pedro Salomão José Kassab e da professora Yacy Kassab.

Ele cursou o ensino médio e o fundamental no Liceu Pasteur e graduou-se por duas faculdades da Universidade de São Paulo (USP): em 1985 concluiu o curso de Engenharia Civil; em 1986 formou-se em Economia.

Nesse período, Kassab integrou diretórios acadêmicos e de mobilização estudantil, além de grupos de jovens empreendedores em entidades da sociedade civil.

Vice-presidente estadual do PFL paulista e primeiro secretário nacional da legenda, Kassab é um dos responsáveis no partido pelo desenvolvimento de projetos nas áreas de ciência, tecnologia e energia.

Até dezembro de 2004, Kassab exerceu o segundo mandato de deputado federal - a primeira eleição foi em 1998 -, cargo que deixou para ocupar a vice-prefeitura de São Paulo e trabalhar ao lado do prefeito José Serra.

Antes de chegar ao Congresso Nacional, Kassab cumpriu dois anos de mandato como vereador na cidade de São Paulo (1993-1994) e um mandato como deputado estadual (1995-1998). Como deputado federal, Gilberto Kassab foi indicado pela Câmara dos Deputados para ocupar vaga no Conselho Consultivo da Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações).

Paralelamente à política, Gilberto Kassab participa de várias entidades da sociedade civil: é vice-presidente da Associação Comercial de São Paulo; vice-presidente da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo; conselheiro do CRECI (Conselho Regional dos Corretores de Imóveis); Diretor do Sindicato dos Corretores de Imóveis de São Paulo; e Diretor do Centro do Comércio do Estado de São Paulo.



Escrito por Eduardo às 23h30
[ ] [ envie esta mensagem ]



Trens da CPTM têm oração, camelô e samba

Trens da CPTM têm oração, camelô e samba

RICARDO GALLO
da Folha de S.Paulo

O relógio marca 6h25 na estação Calmon Viana, em Poá (Grande São Paulo). À beira da plataforma, numa manhã de quarta-feira, centenas de pessoas embarcam na linha F e iniciam viagem no trem superlotado, de portas abertas. O vandalismo é constante. Os vagões, quase "temáticos", reúnem usuários de drogas, grupos de evangélicos e até pagodeiros.

Com cerca de 125 mil passageiros diariamente, a linha F é, segundo a própria CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos), a pior da Grande São Paulo. Nos trens, o primeiro vagão costuma ser dos "nóias", o quarto é o da "benção" e, em algumas sextas-feiras, o último é o do pagode -o único que a Folha não conseguiu flagrar. Ambulantes são vistos em todos os vagões.

Cenourão

Na linha F, o trem não é chamado de trem -por causa do péssimo estado de conservação, as composições fabricadas no final dos anos 70 ganharam apelidos curiosos dos passageiros, como cenourão, latão ou sucatão.

"É horrível. Esqueceram da gente, por isso deixam esse trem velho aqui", diz, quase sem se mexer, a operadora de cobrança Regina Célia Ezequiel, 25, que, na quarta-feira de sol, tentava ficar em pé num dos vagões lotados. As quebras de trens são constantes, o que a faz contar com o atraso.

Dois vagões adiante está Nei. Olhos fechados, feição compenetrada, o vendedor de 33 anos que não quis revelar o sobrenome repete em voz alta as orações do pastor. "Glória, senhor, glória".

Em pé, mãos para cima, Nei acena com a cabeça quando ouve o pastor dizer que correto não "é aquele que se diz bonzinho, que se faz de bonzinho, mas sim aquele que segue os ensinamentos de Jesus". "Isso aqui faz bem para muita gente", afirma o vendedor, evangélico há dois anos.

"Estação Brás, desembarque pelo lado direito do trem", anuncia a voz eletrônica do alto-falante.

No trem seguinte, está o gerente de condomínio Valdomiro Antunes, 32, pastor há oito anos. Na viagem de cerca de uma hora, ajuda a evangelizar os passageiros. "Já salvei gente que queria se suicidar e, depois de ouvir a palavra, desistiu." Ele aprendeu a celebrar o culto no trem com os colegas que "já se aposentaram". O culto no quarto vagão ocorre normalmente entre 5h30 e 8h30, pela manhã, e entre 16h e 21h. "As pessoas são necessitadas, precisam ouvir a palavra do senhor Jesus."

À tarde, na viagem de volta do Brás a Calmon Viana, no primeiro vagão, um homem se aproxima com um pacote nas mãos, discretamente. Entrega a um colega. É maconha. Os passageiros evitam olhar. Ele desce na estação Aracaré, em Itaquaquecetuba. "O primeiro vagão é da molecada e de nóias, todos sabem, por isso não gosto de andar lá", diz o cortador Josival Felipe, 41.

Segundo a CPTM, a existência de um vagão específico do tráfico é "mito", mas há, sim, uso de drogas dentro dos trens. "Temos ciência do tráfico [na rede], prova disso é que fazemos um número acentuado de operações. Só no final do ano passado prendemos 56 pessoas de uma vez", afirma o coronel da reserva Leopoldo Augusto Corrêa Filho, gerente de segurança da CPTM. Segundo ele, no entanto, barrar um trem e revistar todos os passageiros provoca uma paralisação de duas horas.

Mercado aberto

Mesmo nos vagões com grupos específicos, os hábitos são os mesmos: portas abertas, passageiros pendurados com o corpo para fora e ambulantes circulando vendendo de chocolates a cerveja, de cortadores de unha a pomadas para micose. "Brahma, Coca, Kaiser, "suquiágua'", diz rápido um deles, enquanto oferece, em um isopor, os produtos aos passageiros. Uma mulher vende um produto com uma característica curiosa. "Amendoim, crocrante, delicioso, crocrante", brada ela.

A venda ocorre no trajeto entre uma estação e outra. Assim que o trem pára, os ambulantes guardam tudo em bolsas ou mochilas e descem. No outro trem, embarcam de novo. "É assim. Ninguém quer perder mercadoria", afirma um dos vendedores.



Escrito por Eduardo às 00h28
[ ] [ envie esta mensagem ]



Novos viadutos

Inaugurada em 24.03.06 a primeira etapa do Complexo Viário Real Parque, na região sudoeste da capital

Novos viadutos

Foram abertos ao trânsito os dois viadutos do complexo viário Real Parque, na zona sul da capital. A obra deve facilitar a ligação entre a Avenida Roberto Marinho - a antiga Água Espraiada - e a Marginal Pinheiros.

A solenidade da inauguração começou no começo da tarde. Além de facilitar o acesso entre a Marginal Pinheiros e a avenida Jornalista Roberto Marinho, os viadutos devem ajudar a aliviar o trânsito na região. Só pela Roberto Marinho passam hoje nove mil veículos por hora nos horários de maior movimento. Finalizada esta primeira etapa, a previsão é que, por hora, pelo menos cinco mil veículos passem pelos viadutos. Com a construção no futuro de mais duas pontes sobre o Rio Pinheiros, o custo total da obra será 147 milhões de reais. Quem passou ao lado do viaduto hoje de manhã ainda encontrou as pistas protegidas por cavaletes e um vigia.

Cada um dos viadutos tem mil e seiscentos metros de extensão e para construí-los foram usadas mais de três mil toneladas de aço.

Na primeira etapa, a intenção é diminuir os congestionamentos no cruzamento entre as avenidas Jornalista Roberto Marinho e Engenheiro Luiz Carlos Berrini.

Os veículos que vêm da região de Interlagos e Santo Amaro com destino à Avenida Roberto Marinho poderão acessar o complexo Real Parque pela pista expressa da Marginal Pinheiros.

Os veículos que seguem pela Marginal Pinheiros, sentido Interlagos ou pela Avenida Morumbi, poderão acessar a nova alça para a avenida Roberto Marinho, pela ponte do Morumbi.

Quem está na Avenida Roberto Marinho poderá usar o viaduto para entrar direto na pista expressa da Marginal.

A entrega dos dois viadutos de acesso encerra a primeira fase das obras do complexo viário Real Parque, que também prevê a construção de duas pontes suspensas por cabos de aço sobre o rio Pinheiros. Pelo contrato, tudo deverá estar pronto até junho de 2008.

Na capital, há mais de mil e quatrocentas pontes, viadutos, túneis e pontilhões. Vias de acesso importantes entre as diferentes regiões da cidade.

Alternativas que transpõem obstáculos naturais como rios e córregos. Ou linhas de trem, por exemplo, como a que há perto da estação Barra Funda.

Gerente de projetos viários da CET, Ricardo Laíza explica que essas construções são um bom investimento porque desafogam o trânsito em cruzamentos movimentados. “Hoje em cruzamento com semáforo, temos capacidade de 800 a 900 veículos por hora e uma passagem em desnível passa para dois mil veículos por hora”.

São Paulo tem hoje cinco mil e quinhentos cruzamentos com semáforo, onde o motorista confirma perder mais tempo. “Seria legal se não tivesse cruzamento e a gente pudesse fluir mais. Viaduto facilita”, disse um motorista.

Os dois viadutos inaugurados nesta sexta receberam o nome de José Bonifácio Coutinho Nogueira, que é o fundador da rede EPTV, afiliada da Rede Globo no interior. José Bonifácio Coutinho Nogueira faleceu em 2002.

Fonte: SPTV



Escrito por Eduardo às 15h38
[ ] [ envie esta mensagem ]



Novo cadastro

SPTV

Quinta-Feira, 16 de Fevereiro de 2006
Novo cadastro

Começou hoje o cadastramento de quem usa o bilhete único. Folhetos que explicam a novidade estão sendo distribuídos nos terminais de ônibus e nos postos da Sptrans, que gerencia o transporte público em São Paulo

Com o cadastramento, o passageiro terá um bilhete único personalizado, com nome e RG. A idéia é combater as fraudes.

De casa para o trabalho e depois até a faculdade. Por dia, este estudante pega no mínimo seis ônibus. Ele usa o bilhete único pra economizar, mas só anda com o cartão sem crédito.

"Se eu perder o meu cartão por exemplo eu não preciso me preocupar, eu vou na lotérica e compro outro cartão idêntico e vou utilizando da mesma maneira", explica o estudante Matusalém Rodrigues.

A partir do dia 11 de março, o passageiro com bilhete único sem crédito e sem cadastro perde a facilidade de carregar o cartão dentro do ônibus. Vai ter que pagar uma viagem a cada embarque. Neste caso, a integração por duas horas não vale mais. Pra não correr esse risco, o estudante se cadastrou logo cedo: "vou fazer pra já a partir de março não ter surpresa".

Quem fizer o cadastro vai ter um bilhete único personalizado, com nome e número do RG. O formulário pode preenchido pela internet ou ser entregue nos postos da Sptrans e nas bilheterias dos terminais de ônibus. O novo cartão fica pronto em 90 dias.

Hoje de manhã, no terminal Bandeira, muita gente ainda não sabia da novidade:

"Fiquei surpresa não sabia. Vai fazer o cadastramento? Com certeza"

Sabendo agora, vai se cadastrar? "Fazer o que?, senão não posso usar".
 
Um informativo com todos os detalhes da mudança foi leitura obrigatória: "vou estudar um pouco mais, não li tudo ainda, mas acho que vai ser uma boa", explica Roberto Carneiro da Rocha, vendedor.

A intenção é estimular o passageiro a estar com o bilhete sempre com crédito, diminuindo assim as filas dentro dos ônibus e a circulação de dinheiro nos ônibus. Além disso, a medida deve coibir as fraudes, que representam um prejuízo de R$ 20 milhões por mês aos cofres do município. A mais conhecida é a da janelinha, onde mais de um passageiro utiliza apenas um bilhete.

O diretor da Sptrans José Carlos Martinelli falou com o SPTV sobre o assunto.

SPTV: Até que dia as pessoas devem se cadastrar?

José Carlos Martinelli: Não, vai ser aberto o cadastramento e esse cadastramento vai ficar sempre aberto.

SPTV: Como é que a Sptrans vai saber que a pessoa que está se cadastrando é a portadora do bilhete único?

José Carlos Martinelli: O objetivo do cadastramento é termos uma informação maior sobre as pessoas que utilizam o bilhete. O fato dela estar cadastrada faz com que o cuidado na utilização do bilhete seja maior. Se houver um desvio no cadastramento o próprio uso do bilhete vai levar a identificação ao uso regular do bilhete. O que nós queremos evitar é o uso irregular do bilhete.

SPTV: Quem deve se cadastrar? Em casos de pessoas que utilizam o bilhete único como vale transporte ou passe escolar a pessoa não precisa se cadastrar?

José Carlos Martinelli: Perfeito , quem tem vale transporte, bilhete escolar e idosos e deficientes não precisa se cadastrar.

SPTV: É só mesmo a pessoa que compra e que insere crédito no bilhete?

José Carlos Martinelli: São as pessoas que entram no ônibus com o bilhete comum sem o crédito carregado antecipadamente e são essas que precisam se cadastrar.

SPTV: E o que os passageiros ganham se cadastrando?

José Carlos Martinelli: A vantagem do cadastramento pro passageiro e, por exemplo, em caso de perda do bilhete que tenha créditos é mais fácil a identificação e a devolução dos créditos pra ele. Hoje quem tem o bilhete e não está identificado ele precisa saber o número do bilhete para ele ter a restituição de créditos e nem sempre isso a pessoa sabe o número do bilhete.



Escrito por Eduardo às 17h48
[ ] [ envie esta mensagem ]



A vila de São Paulo de Piratininga teve início em 25 de Janeiro de 1554 com a construção de um colégio jesuíta, pelos padres Manuel da Nóbrega e José de Anchieta, entre os rios Anhangabaú e Tamanduateí. Tal colégio, que funcionava num barracão feito de taipa de pilão, tinha por finalidade a catequese dos índios que viviam na região.
O povoamento da região teve início em 1560, quando, por ordem de Mem de Sá, governador geral da colônia, mandou a população da vila de Santo André da Borda do Campo para os arredores do colégio, denominado ?Colégio de São Paulo de Piratininga? ? o nome foi escolhido porque dia 25 de janeiro a Igreja Católica celebra a conversão do apóstolo Paulo de Tharso. Desta forma, a vila de Santo André da Borda do Campo foi extinta, e São Paulo foi elevada à categoria de vila.
São Paulo permaneceu, durante os dois séculos seguintes, como uma vila pobre e isolada do centro de gravidade da colônia, que se mantinha por meio de lavouras de subsistência.
Por ser a região mais pobre da colônia, em São Paulo teve início a atividade dos bandeirantes, que se dispersaram pelo interior do país à caça de índios, de ouro e de diamantes. A descoberta do ouro na região de Minas Gerais fez com que as atenções do reino se voltassem para São Paulo, que foi elevada à categoria de cidade em 1711. Quando o ouro esgotou, no final do século XVIII, teve início o ciclo paulista do açúcar, que se espalhou pelo interior da província, e a cidade de São Paulo tinha a finalidade de escoar a produção para o porto de Santos.
Em 1828, instalou-se a primeira faculdade de direito, e isto deu um novo impulso de crescimento à cidade, com o fluxo de estudantes e professores, juntamente com o crescimento da produção do café nas regiões de Campinas e Rio Claro. Neste período a província começou a receber uma grande quantidade de imigrantes, especialmente italianos, dos quais muitos se fixaram na capital, e as primeiras indústrias começaram a se instalar.
O auge do período do café é representado pela construção da segunda Estação da Luz (o atual edifício) no fim do século XIX. Neste período, o centro financeiro da cidade desloca-se de seu centro histórico (região chamada de "Triângulo Histórico") para áreas mais a Oeste. O vale do Rio Anhangabaú é ajardinado e a região do outro lado do rio passa a ser conhecida como Centro Novo. Os melhoramentos realizados na cidade pelos adminstradores João Theodoro e Antônio Prado contribuem para o clima de desenvolvimento: estudiosos consideram que a cidade inteira foi demolida e reconstruída.
Com o crescimento industrial da cidade, no século XX, a área urbanizada da cidade pasosu a aumentar, sendo que alguns bairros residenciais foram construídos em lugares de chácaras. O grande surto industrial se deu durante a Segunda Guerra Mundial, devido à crise na cafeicultura e às restrições ao comércio internacional, o que fez a cidade ter uma taxa de crescimento muito elevada até os dias atuais.
Atualmente, o crescimento vem se desacelerando, devido ao crescimento industrial de outras regiões do Brasil, e o perfil da cidade vem se transformando de uma cidade industrial para uma metrópole de comércio, serviços e tecnologia, sendo que hoje é, por muitos, considerada a mais importante metrópole da América Latina.


Escrito por Eduardo às 21h51
[ ] [ envie esta mensagem ]



São Paulo é a cidade mais rica da América do Sul, mas revela muitas disparidades sócio-econômicas entre seus habitantes. É um grande centro cultural e de entretenimento, podendo ser comparada a outras grandes capitais do mundo como Paris ou Nova York. Mesmo assim, a cidade enfrenta problemas comuns às outras megalópoles como o problema do excesso de automóveis (média de um veículo para cada dois habitantes) que circulam em suas avenidas, o que contribui para que São Paulo tenha a terceira maior frota de helicópteros do mundo, atrás apenas de Nova York e Tóquio. A cidade é chamada por muitos de "A capital mundial da gastronomia", devido à sua variedade e qualidade oferecidas em seus restaurantes e lanchonetes.
Além de ser o maior centro de produção e o maior mercado consumidor do país, São Paulo também é um grande entroncamento rodoviário, e faz a ligação Norte-Sul do Brasil. Dá acesso a diversas rodovias (
Rodovia Presidente Dutra, Rodovia Ayrton Senna, Rodovia Fernão Dias, Rodovia dos Bandeirantes, Rodovia Anhangüera, Rodovia Castello Branco, Rodovia Raposo Tavares, Rodovia Régis Bittencourt, Rodovia dos Imigrantes e Rodovia Anchieta). É servida pelos aeroportos Campo de Marte, Congonhas, Cumbica e Viracopos, sendo que estes dois últimos também são aeroportos internacionais e de carga.
Os três principais rios que cruzam a cidade de São Paulo são o
Rio Tietê, o Rio Pinheiros e o Rio Tamanduateí.



Escrito por Eduardo às 21h45
[ ] [ envie esta mensagem ]



São Paulo é a maior cidade brasileira e capital do Estado de mesmo nome. A população recenseada em 2003 foi de 11.434.252 habitantes; em 2004, o IBGE estimava um crescimento para 12.677.019. A área do município, ainda segundo o IBGE, é de 1.523 km². A altitude média é de 760m.
Sua região metropolitana tem aproximadamentede 19,7 milhões de habitantes, o que a torna a cidade mais populosa do Brasil e a 3ª do mundo depois da
Cidade do México e Tóquio. O lema da cidade (presente em seu brasão) é "Non Dvcor Dvco" (latim), que em português significa "Não sou conduzido, conduzo".
Regiões muito próximas a São Paulo são consideradas as maiores regiões metroplitanas do Estado, são elas: Jundiaí, Campinas, Santos, Sorocaba e São José dos Campos, cujas populações, somadas a da capital, ultrapassam 29.000.000 de habitantes, ou seja, mais de 80% da população do estado inteiro.


Escrito por Eduardo às 21h40
[ ] [ envie esta mensagem ]




Avenida Paulista II
Originally uploaded by
Eduardo Andrade Miron.



Escrito por Eduardo às 08h15
[ ] [ envie esta mensagem ]




Rua Direita
Originally uploaded by
Eduardo Andrade Miron.



Escrito por Eduardo às 08h12
[ ] [ envie esta mensagem ]




Avenida Nove de Julho
Originally uploaded by Eduardo Andrade Miron.



Escrito por Eduardo às 08h09
[ ] [ envie esta mensagem ]




Avenida Paulista I
Originally uploaded by Eduardo Andrade Miron.


Foto antiga da Avenida Paulista
Mais fotos, visite o Portal DTudo - http://dtudo.1br.net



Escrito por Eduardo às 19h27
[ ] [ envie esta mensagem ]




Wallpaper by Portal de Sampa
http://saopaulo.1br.net



Escrito por Eduardo às 19h17
[ ] [ envie esta mensagem ]




[ ver mensagens anteriores ]